O paparazzo acusado de perseguir o cantor Justin Bieber no mês passado, Paul Raef, teve o pedido de absolvição negado por um juíz na manhã desta última quarta-feira (8), segundo o site TMZ.

Raef alegou inocência afirmando que seu trabalho não é diferente ao de um repórter cobrindo um incêndio, e portanto ele teria o direito de guiar seu carro em alta velocidade por uma imagem de Bieber. O fotógrafo é a primeira pessoa a ser levada ao tribunal por conta da nova “lei paparazzi”, que vem demonstrando maior rigidez em relação aos profissionais da área que colocam a vida das celebridades em risco.

O advogado da defesa, David Kestenbaum, afirma que defenderá seu cliente se baseando na Primeira Emenda Constitucional Americana, que garante liberdade à imprensa.

Publicado por Gabriela Amaral