Em uma recente entrevista para a revista americana Rolling Stone, o cantor porto-riquenho Luis Fonsi disse sobre escrever o seu histórico single número um e explicou que não culpa Justin Bieber por arruinar (não fazer justiça) com a letra da música e mais. Confira a matéria traduzida por nossa equipe abaixo:

Em janeiro, Victor Martinez, presidente da radio Hispanic Broadcasting e programador de várias estações de pop latino no Nordeste, abriu um email anunciando que o cantor Porto Riquenho Luis Fonsi estava preparando um um novo single chamado “Despacito” com a estrela do reggaeton Daddy Yankee. Martinez se perguntou como Fonsi, especializado em majestosas baladas ardentes, iria se misturar com os raps contundentes de Yankee, então ele realizou uma pesquisa. “No momento em que recebemos a música, nos a colocamos no programa da manhã e permitimos que as pessoas no ligassem” ele lembra. “Nos recebemos entre 100 e 150 ligações em 10 minutos: Nós amamos isto!”

Durantes os últimos quatro meses, uma versão tem tocado em estações de radio e plataformas de streaming ao redor do mundo. Em março, “Despacito” chegou ao topo das paradas latinas, em abril, o clipe da musica de Fonsi chegou a um bilhão de visualizações. Quando o remix de “Despacito” apresentando um verso com Justin Bieber alcançou o primeiro lugar no Hot 100, onde ficou por três semanas consecutivas, o single se tornou a primeira musica em língua espanhola (em sua maioria) a chegar ao topo do Hot 100 desde 1996.

Um número um é uma realização memorável para qualquer um, mas é uma conquista ainda mais notável para um artista que fala espanhol. E Fonsi é um candidato surpresa, diferente de Shakira ou Enrique Iglesias, que tem inúmeros hits pop, geralmente gravados em inglês, Fonsi só chegou ao Top 100 duas vezes antes e não ultrapassou o numero 90. Ele também é mais de uma década mais velho do que a media dos cantores um número 1 (39 anos para Fonsi contra 26,8, de acordo com Billboard).

Adicione a tudo isso o fato de que ele não estava oscilando entres as rádios pop quando ele fez “Despacito”. Eu não sei o que acontece no rádio nem qual é o fator X que faz uma música clicar e conectar pessoas a ela quando está em outro idioma” disse Fonsi à Rolling Stone. Em nenhum momento eu estava tentando escrever um faixa crossover”.

Em vez disso, quando ele pegou um violão para escrever “Despacito” a cerca de dois anos atrás, ele tinha algumas prioridades. Fonsi construiu uma carreira em baladas românticas, mas desta vez, ele queria acelerar o ritmo. Eu senti como se eu precisasse de um pouco mais de movimento”, diz ele. É aí que o pop latino lidera, é o momento certo para colocar um pouco de ritmo nessa faixa”.

Seu segundo objetivo era escrever uma música quebrando a palavra “Despacito” em suas sílabas constituintes – “Des-Pa-Cito”. Por um acidente feliz, isso dá aos falantes de inglês, que geralmente relutam para se envolver com uma música em outra língua, algo para se ligar: é uma lição de fonética fácil de absorver. “Despacito” significa lentamente, Fonsi acrescenta aqui outra camada de possível satisfação, desacelerando enquanto fala a palavra, seguindo suas próprias instruções.

Este é apenas um dos mecanismos de atração na faixa que é intencionalmente cheia deles: “Nos queríamos fazer uma musica que tivesse um gancho após o outro” explica Fonsi. Depois do seu primeiro refrão, a batida extasiante vai acelerando, com gritos explosivos de “sobe!” ao fundo. “Quando a batida entra, ele não para mais,” Fonsi afirma. “Eu tinha escrito um segundo verso mais melodioso, mas quando juntamos tudo percebi ‘precisamos de um momento de explosão aqui’”. Então ele ligou para Daddy Yankee, um grande amigo e um confiável fabricante de hits para o radio com 15 musicas latinas no top 10.

Fonsi co-escreveu “Despacito” com Erika Ender, que será introduzida no hall da fama latina esse outono. “Nós estamos nesta indústria há muito tempo: sabemos como as pessoas gostam de música e como funciona” diz ela. E eles conhecem um sucesso – “Você pode sentir em sua pele sempre que faz algo que realmente gosta, quer sempre ouvir mais uma vez”– ela continua. “Mas você não sabe o quão longe está indo, ou a rapidez com que se conecta com as pessoas”. Ou quem se conectará com ela: quando Justin Bieber estava em turnê pela America do Sul, o astro acabou escutando “despacito” em uma boate, e ele fez contanto pedindo para adicionar um verso ao single. “Ele viu a reação das pessoas, e logo em seguida ele estava falando ‘Quero ser parte desse movimento” Fonsi relembra.

Para a surpresa de Fonsi, Bieber decidiu por vontade própria cantar o refrão em espanhol- sua primeira vez cantando em espanhol em um álbum. “É grandioso para a musica latina uma estrela global como Justin Bieber tomar um tempo para fazer a musica, e faze-la em espanhol” diz Fonsi. “Eu já fiz musicas em outras línguas, sei como é difícil.”

Embora Bieber tenha matado as letras de “Despacito” de forma ofensiva durante uma performance recente, Fonsi parece estar disposto dar uma folga ao seu colaborados. “O refrão não é fácil de cantar, nem para cantores fluentes em espanhol como eu” diz Fonsi. “Tem muitas palavras, é uma espécie de trava-língua”. Por outro lado Martinez está feliz que a maior parte dos versos de Bieber permanece em inglês: “A pessoas ficam muito criativas, falando, ‘vamos fazer o Bieber cantar em inglês’- eu acho que pode ser graça.”

Quando o remix oficial de “despacito” saiu em abril, a faixa deixou a posição de numero 48 para numero 9, e completou sua ascensão no hot 100 três semanas depois, fazendo um strike para a musica pop em espanhol. “Todos os artistas latinos deveriam estar orgulhosos desse sucesso.” escreveu Romeo Santos, estrela de bachata, no Twitter. Fornis recebeu mensagens similares de vários outros cantores. “As pessoas se aproximam de mim, grandes estrelas que eu admiro, e dizem: ‘cara, essa faixa está mudando a música, obrigado por abrir as portas para música latina em tantos lugares” Fonsi conta. “Não estou aceitando crédito por tudo isso. Este é um esforço de grupo”.

Embora Fonsi ligue seu single a uma tradição de sucessos de verão que proporcionam alívio de manchetes sombrias- “Nos precisamos escapar de todos esses problemas” diz vagamente – há também uma dimensão política inevitável para o sucesso de “Despacito”: “Essa musica em espanhol chegou as paradas americanas em um momento no qual o presidente Trump regularmente despreza a comunidade latina.

Fonsi escolheu enfatizar os aspectos que promovem a unidade em seu single. “Quando você acha que estamos vivendo um mundo pouco dividido, a música nos reúne”, diz ele. Ender passa uma mensagem semelhante. “Do jeito que vejo o mundo, eu o vejo como uma grande casa” afirma. “Neste caso, a música pode fazer as pessoas se sentirem assim também”.

Martinez é mais afiado ao discutir as ramificações políticas de “Despacito”. “Aqui estamos com Donald Trump como presidente e a musica no numero 1 no mundo é de dois rapazes latinos e Porto Riquenhos – quão irônico é isso?” ele declara. “Eu estava assistindo The Voice na terça-feira [Fonsi e Daddy Yankee tocaram no final no início deste mês] e essa é a única coisa que me veio à mente: com tudo o que temos falado – o muro, a imigração – estamos aqui, abrindo o The Voice na NBC cantando em espanhol. É lindo como o carma faz as coisas acontecerem”.

Tweet about this on TwitterShare on Facebook0